Justiça: Mercadopago não pode ser responsabilizado por negligencia de vendedores | TVPAULISTA.com 100% Digital 100% Streaming

Regras de segurança de plataforma de vendas foram descumpridas.   A 30ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve, na última quinta-feira (22), sentença da juíza Ana Paula Franchito Cypriano, da 6ª Vara Cível de Ribeirão Pre...

regras, de, segurança, de, plataforma, de, vendas, foram, descumpridas,  , a, 30ª, câmara, de, direito, privado, do, tribunal, de, justiça, de, são, paulo, manteve, na, última, quinta-feira, (22), sentença, da, juíza, ana, paula, franchito, cypriano, da, 6ª, vara, cível, de, ribeirão, pre

Justiça: Mercadopago não pode ser responsabilizado por negligencia de vendedores

Publicado por: Editor
30/04/2021 10:35 AM
Courtesy Pixaby
Courtesy Pixaby

Regras de segurança de plataforma de vendas foram descumpridas.

 

A 30ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve, na última quinta-feira (22), sentença da juíza Ana Paula Franchito Cypriano, da 6ª Vara Cível de Ribeirão Preto, que determinou culpa exclusiva de consumidor que, por descuido excessivo, teria caído em golpe durante venda on-line, havendo ausência de responsabilidade da plataforma de vendas.


De acordo com os autos, o autor da ação criou anúncio para a venda de produto numa plataforma na internet. No entanto, ao contrário do que recomendam os termos condições e uso do site, passou a negociar com um suposto interessado – que na verdade era um estelionatário – em ambiente virtual diverso daquele utilizado para o anúncio. Após receber e-mail falso enviado pelo golpista confirmando o pagamento, o vendedor enviou o produto.


Para a relatora do recurso, desembargadora Maria Lúcia Pizzotti, o autor assumiu os riscos de golpe. Após descrever o passo a passo que deveria ser seguido pelo vendedor – aceitação da proposta, pagamento, confirmação de pagamento e envio do produto –, a magistrada afirmou que se o procedimento é seguido corretamente “a transação tem altos índices de segurança, pois o pagamento, já feito, só será liberado com a confirmação pelo comprador da idoneidade do produto. É uma via de mão dupla que, contudo, não foi observada pelo autor, que sequer checou se houve pagamento antes de enviar o produto”.


O julgamento, de votação unânime, contou com a participação dos desembargadores Lino Machado e Carlos Russo.

 

Apelação nº 1034272-76.2019.8.26.0506

 

Fonte: Comunicação Social TJSP 

Imagens de notícias

Compartilhar