Nível de glicose no sangue é um dos fatores mais influentes na gravidade da covid-19 | TVPAULISTA.com Mobile Television Network

Um novo estudo utilizou Inteligência Artificial para avaliar mais de 240 mil estudos e concluiu que o nível de glucose no sangue é a variável biológica mais referida e que mais influencia a severidade de quem é infectado com covid-19.   Desde o início ...

covid-19, vacinas, máscaras, comorbidades, saúde, glicose, diabetes

Nível de glicose no sangue é um dos fatores mais influentes na gravidade da covid-19

Publicado por: Editor
20/08/2021 01:29 PM

Um novo estudo utilizou Inteligência Artificial para avaliar mais de 240 mil estudos e concluiu que o nível de glucose no sangue é a variável biológica mais referida e que mais influencia a severidade de quem é infectado com covid-19.

 

Desde o início da pandemia que uma das questões que mais intrigam a comunidade científica é a disparidade dos efeitos da covid-19 dependendo das pessoas, com alguns infectados a serem completamente assintomáticos e nem sequer saberem que contraíram o vírus, enquanto outros lutam pela vida ou acabam mesmo por sucumbir à doença.

 

A idade mais avançada, ter um sistema imunitário mais frágil ou sofrer de doenças crónicas são alguns dos factores de risco já conhecidos, e um novo estudo publicado em Julho na Frontiers vem juntar os elevados níveis de glucose no sangue à lista.

 

Blue Brain é um projecto de machine-learning – o uso de algoritmos que melhoram sozinhos através da análise de grandes volumes de dados – que avaliou mais de 240 mil estudos que estão acessíveis na base de dados COVID-19 Open Research Database, também conhecida como CORD-19.

 

Dados todos os dados disponíveis, os fundadores da CORD-19 desafiaram os criadores de Inteligência Artificial a arranjar um sistema que processasse toda a informação e que encontrasse pistas comuns que ajudem a comunidade científica a descobrir mais sobre a doença. O Blue Brain concluiu que os níveis de glucose no sangue são a variável biológica mais referida nos estudos.

 

“Com o acesso à base de dados CORD-19, o Blue Brain chamou rapidamente uma ferramenta de IA e tentou descobrir porque algumas pessoas ficam doentes e outras não. Porque é que tantas pessoas aparentemente saudáveis morrem de covid-19? Porque é que tantas pessoas morrem nas UCI?”, afirma o professor Henry Markram, autor do estudo, num comunicado citado pelo IFLScience.

 

Para responder a estas questões, os investigadores usaram a IA para acompanhar todos os passos da infecção desde o momento em que o vírus entra nos pulmões, até quando se espalha pelo corpo e infecta os órgãos.

 

“Também criámos o vírus num nível atomístico e desenvolvemos um modelo computacional da infecção para que pudéssemos testar o que estava a sair dos estudos. Acho que encontrámos a razão pela qual algumas pessoas ficam mais doentes que outras”, revela Henry Markram.

 

Os testes concluíram que o nível alto de glucose no sangue cria as condições ideais para que o vírus passe pelas defesas iniciais do corpo, quando entra no sistema respiratório e luta contra o sistema imunitário dos pulmões. Caso tenha sucesso, o vírus consegue replicar-se rapidamente e causar bastantes mais danos do que se fosse neutralizado logo.

 

A destruição das defesas anti-virais dos pulmões e a fragilização do sistema imunitário, que causa uma tempestade de citocinas, são outras consequências dos níveis de glucose altos, que também tornam mais fácil a entrada do vírus nas células via o receptor ACE2.

 

Apesar desta hipótese ainda não estar completamente provada, o artigo ajuda a perceber o impacto que os altos níveis de glucose têm no corpo e em como este pode ser um factor de risco. O estudo demonstra também o potencial que a Inteligência Artificial tem na revisão de literatura científica e em como pode ser útil para agregar informação e encontrar padrões.

 

Originalmente publicado por: Planeta ZAP

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários