Ora, bolas! Por Marli Gonçalves | TVPAULISTA.com Mobile Television Network

Ora, bolas, que se não dermos tratos à bola não conseguiremos sair desses obstáculos e dilemas todos colocados em nossos caminhos; pedras, que ao contrário das bolas, não rolam sozinhas por sopros, necessitam serem chutadas.

artigo, jornalismo, reportagem

Ora, bolas! Por Marli Gonçalves

Publicado por: Editor
12/11/2021 05:46 PM
Cortesia Pexels
Cortesia Pexels

MARLI GONÇALVES

Ora, bolas, que se não dermos tratos à bola não conseguiremos sair desses obstáculos e dilemas todos colocados em nossos caminhos; pedras, que ao contrário das bolas, não rolam sozinhas por sopros, necessitam serem chutadas. As bolas são voláteis, ágeis, trazem em si a simplicidade da forma e o movimento. Investidas de encanto nas jogadas garantem pontos. Não é à toa que estão sempre por perto, ganhando seus variados sentidos.

 

Vamos precisar todos bater um bolão. Porque ganhar um bolão é só sonho de apostas e loterias de toda a vida, e que em geral se esvanecem semana após semana, como as bolinhas de sabão. As bolas, pensa, estão em quase tudo, paradas, móveis, correndo, pulando, fazendo e acontecendo. Até esse vírus maldito que parou o mundo, que forma tem? Bolinha, cheia de espetos, mas bolinha.

 

E olha que pode ser por isso mesmo que as bolas e bolinhas – estampadas, em todos os tamanhos, cores, combinações, claro sobre escuro, escuro sobre claro - estão novamente no auge da moda e para qualquer lugar que se olhe, estarão lá, nos vestidos, blusas, sapatos, gravatas – andam empurrando para lá as listras. Petit pois, em francês, como ervilhas. Poás, em bom português.

 

Lembram da brincadeira que se faz com as mãos, e os ossos são vistos como elas, bolinha ui, bolinha ui? Não lembra? Coisa antiga. Tudo bem. Mas você sabe que é bem bom fazer exercícios com uma bolinha nas mãos, fisioterapia barata, antiestresse, alivia as tensões a ansiedade, fortalece os punhos. Quando você aperta uma bolinha dessas, ocorre uma tensão muscular e ao soltar, o movimento vira um relaxamento não apenas físico, como também emocional. Usada também para massagens; e tem ainda aquela bola maior – bola suíça ou bola de Pilates - com a qual se faz uma sorte de exercícios de ginástica.

 

Estudos afirmam que apertar bolinhas com durezas diferentes, com a direita, com a esquerda, ajuda até a resolver problemas diferentes, embora os pesquisadores ainda não consigam explicar bem o porquê. Uma bolinha mais rígida serviria para lidar com questões de “ligar os pontos”: combinar informações existentes, comparar ideias – como um quebra-cabeça, palavras cruzadas ou uma charada. Por sua vez bolinhas mais macias ficaram ligadas ao pensar criativo, criar soluções do zero.

 

As bolas surgem nos mais variados contextos, inclusive nos jogos amorosos – se falava em dar bola para alguém, quando o interesse por outra pessoa precisava ser demonstrado. Tudo bem, isso é cringe? Ok, mas você entendeu – já deve ter dado bola para muita gente por aí.

 

Uma das maiores e mais originais artistas plásticas do mundo, Yayoi Kusama, uma japonesa hoje já com 92 anos, passa a vida a criar com elas, as bolas. Arte que a tornou famosa e salva da própria esquizofrenia – ela vive há décadas, por livre vontade, em um hospital psiquiátrico, mas nunca parou de criar com o que chama “pontos do infinito”.

 

Ora, bolas, ora, porque pensar em tantas bolas? Aconteceu só de lembrar que o fim do ano está aí, e imediatamente vieram à tona na procura de por onde andavam aqui em casa as bolas de Natal, aquelas bonitas, cheias de brilho, que usamos para as decorações, as coitadas que dormem em caixas o resto do ano.

Junto, veio a sensação de que o tempo corre rápido demais e que andamos girando em torno de nós mesmos sem conseguir solucionar nosso próprio país, um ambiente que ficou muito mais pra lá de tóxico nos últimos anos em que temos sabido e ouvido diariamente os mais estapafúrdios comentários e que aos homens de bem deve causar o famoso e doído chute nas bolas, os testículos.

 

Esperando ainda que não esteja ocorrendo, para fugir dessa realidade, nenhum aumento no uso de bolinhas, que hoje estou terrível em lembrar termos antigos, e como pelo menos eram assim conhecidas as pílulas, psicotrópicos.

 

Ah, verdade! Trocaram uma letra. Agora chamam de bala!

Bolinha, ui, bolinha, ui, bolinha! E os meses se passaram. Veja com suas próprias mãos. Ligue os pontos.



MARLI GONÇALVES – Jornalista, consultora de comunicação, editora do Chumbo Gordo, autora de Feminismo no Cotidiano - Bom para mulheres. E para homens também, pela Editora Contexto. Nas livrarias e online, pela Editora e pela Amazon. marligo@uol.com.br / marli@brickmann.com.br

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários