Estuprou filha de 14 anos e pegou 9 anos de cadeia | TVPAULISTA.com Televisão via Internet

Pena arbitrada em nove anos de reclusão.   A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que condenou homem acusado de estupro contra a própria filha de 14 anos. A pena foi arbitrada em nove anos de reclusão, no re...

crimes, jornalismo, policia, pm, manifestação, homicidio, assassinato, estupro, violencia

Estuprou filha de 14 anos e pegou 9 anos de cadeia

Publicado por: Editor
09/01/2020 01:28 PM
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Pena arbitrada em nove anos de reclusão.

 

A 4ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve decisão que condenou homem acusado de estupro contra a própria filha de 14 anos. A pena foi arbitrada em nove anos de reclusão, no regime inicial fechado.

 

De acordo com os autos, a vítima foi criada por pais adotivos, mas, desde 2014, passou a residir com seus pais biológicos. Aproveitando-se da convivência diária e dos momentos de ausência da esposa, o acusado passou praticar atos libidinosos contra a filha, condicionando, ainda, a compra de medicamentos dos quais ela dependia, por ser portadora de esquizofrenia, à anuência dos abusos.

 

Em seu voto, a relatora do processo, Ivana David, pontuou que “no confronto entre as versões expostas vale trazer à colação o entendimento no sentido de considerar-se com primazia a narrativa das vítimas dos delitos sexuais na formação do convencimento, sendo tais ilícitos praticados às escondidas, a envolver pessoa de frágil possibilidade de reação, descabendo presumir-se desde logo que compareçam em juízo para formular acusações falsas”. A magistrada também destacou que o estado mental da vítima era estável e assintomático. “O agente que se dá à prática de crimes contra a liberdade sexual traz risco concreto à integridade física ou psíquica da vítima e demonstra possuir personalidade distorcida e periculosidade”, concluiu.

 

O julgamento, de decisão unânime, teve a participação dos desembargadores Roberto Porto e Luis Soares de Mello.

 

Fonte: Comunicação Social TJSP 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

REVENDA MODA INFANTIL

Vídeos relacionados