Na contramão de Bolsonaro, OMS não reduz nível de alerta até existir um controle significativo do vírus | TVPAULISTA.com Para dispositivos móveis

OMS recusou nesta quarta-feira (13/5), diminuir qualquer nível de alerta, até que o vírus se encontre significativamente controlado, para evitar ressurgimentos. Por Simone Silva 17:40, 13 Mai 2020 A Organização Mundial de Saúde (OMS) recusou nesta quar...

corona, virús, pandemia, epidemia, contágio, mortes, china, wuhan, oms, notícias, infectologistas

Na contramão de Bolsonaro, OMS não reduz nível de alerta até existir um controle significativo do vírus

Publicado por: Editor
14/05/2020 11:30 AM
Divulgação
Divulgação

OMS recusou nesta quarta-feira (13/5), diminuir qualquer nível de alerta, até que o vírus se encontre significativamente controlado, para evitar ressurgimentos.


Por Simone Silva 17:40, 13 Mai 2020


A Organização Mundial de Saúde (OMS) recusou nesta quarta-feira, diminuir qualquer nível de alerta, até que o vírus se encontre significativamente controlado, para evitar ressurgimentos.

 

A declaração foi feita por Mike Ryan, diretor do programa de emergências da OMS, sublinhando que existe um longo caminho a percorrer até à chamada "nova normalidade", disse acrescentando ainda: "A OMS não vai reduzir o nível de alerta até existir um controle significativo de vírus, sistemas de vigilância robustos e sistemas de saúde pública mais fortes", referiu-se na habitual conferência de imprensa diária.

 

O responsável considera essencial "ter vigilância comunitária e estar preparado", mas também ir aplicando determinadas medidas de alívio das restrições, em função da evolução da epidemia na região e da capacidade dos serviços de saúde, para que seja possível reabrir a economia.


O vírus pode nunca desaparecer, disse Ryan passando a fazer parte do conjunto de vírus que todos os anos afetam e matam pessoas em todo o mundo.

 

"Este vírus poderá tornar-se em mais um vírus endémico nas nossas comunidades e pode nunca desaparecer. O HIV nunca desapareceu. Não estou a comparar as duas doenças, mas acho que é importante que sejamos realistas. Não há ninguém que possa predizer quando ou se esta doença vai desaparecer", disse o especialista.

 

Mike Ryan admite que, com a vacina, "talvez exista uma possibilidade de eliminar o vírus mas a vacina terá que ser altamente eficiente e terá que estar disponível para toda a gente, que tem que a tomar. Esta doença pode tornar-se num problema a longo prazo ou poderá não se tornar", afirmou.

 

Uma outra responsável da OMS, María Van Kerkhove, reforçou o discurso do colega, no mesmo briefing, sublinhando que "a saída da pandemia vai demorar" e que as medidas restritiva aplicadas pelos países para reduzir o contágio pelo novo coronavírus, devem ser aliviadas de forma gradual, considerando a situação epidemiológica nas várias regiões, como Ryan já tinha referido.

 

"Os países têm de estar preparados para detectar novos casos e agir rapidamente", disse a responsável, num discurso que vem sendo repetido diversas vezes pelos membros da OMS, numa tentativa de evitar que surjam novos casos de infecção, tal como aconteceu recentemente em países como a China, Alemanha ou Rússia.

 

Fonte: OMS e Sapo.pt

Painel de Dados no Brasil

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

REVENDA MODA INFANTIL

Vídeos relacionados