Entidades médicas não recomendam uso de cloroquina e hidroxicloroquina | TVPAULISTA.com Televisão via Internet

Entidades médicas dizem que uso de cloroquina e hidroxicloroquina necessitam de estudos mais aprofundados   Por Paulo Oliveira Nesta semana, três associações alertaram sobre a falta de estudos que comprovem a eficácia dos medicamentos   Quase seis mese...

corona, virúscloroquina, pandemia, epidemia, contágio, mortes, china, wuhan, oms, notícias, infectologistas

Entidades médicas não recomendam uso de cloroquina e hidroxicloroquina

Publicado por: Editor
20/05/2020 12:41 PM
Agencia Brasil
Agencia Brasil

Entidades médicas dizem que uso de cloroquina e hidroxicloroquina necessitam de estudos mais aprofundados

 

Por Paulo Oliveira

Nesta semana, três associações alertaram sobre a falta de estudos que comprovem a eficácia dos medicamentos

 

Quase seis meses após o surgimento do primeiro caso de Covid-19, que ocorreu na cidade chinesa de Wuhan, a doença ainda não possui um tratamento com alta efetividade. A eficiência do uso da cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes com o novo coronavírus não foi comprovada e cientistas de todo o mundo continuam estudando o efeito dos medicamentos contra a doença. 

 

Segundo um levantamento da empresa americana de tecnologia Cytel, em todo o mundo já foram feitos ou elaborados 230 ensaios clínicos sobre a utilização dessas drogas em pessoas infectadas com a Covid-19. No final de abril, o Conselho Federal de Medicina (CFM) autorizou o uso da cloroquina e hidroxicloroquina para o tratamento de Covid-19 a critério médico e com o consentimento do paciente.

 

Contudo, a entidade ressalta que “não existem evidências robustas de alta qualidade que possibilitem a indicação de uma terapia farmacológica específica para a Covid-19.” Segundo o CFM, apesar de alguns estudos terem mostrado resultados promissores, “nenhum ainda foi aprovado em ensaios clínicos com desenho cientificamente adequado, não podendo, portanto, serem recomendados com segurança.” 

 

O presidente do CFM, Mauro Ribeiro, pondera que a hidroxicloroquina e a cloroquina “tem diversos efeitos colaterais, que não raros, mas que podem ser importantes como bradiarritimias (arritimias com frequências cardíacas baixas), reações cutâneas e falência hepática fulminante.”

 

Nesta semana, um documento elaborado pela Associação de Medicina Intensiva Brasileira, pela Sociedade Brasileira de Infectologia e pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia recomendou a não utilização da hidroxicloroquina e cloroquina no tratamento do novo coronavírus. O documento atenta para os níveis baixos de comprovação científica sobre a eficiência das drogas na melhora clínica de pacientes com a doença. 

 

Resultados

A Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) também divulgou nota em que afirma existir poucas evidências da eficácia da cloroquina e hidroxicloroquina nessa situação. “Desta forma, a SBI fortemente recomenda que sejam aguardados os resultados dos estudos randomizados multicêntricos em andamento, incluindo o estudo coordenado pela OMS, para obter uma melhor conclusão quanto à real eficácia da hidroxicloroquina e suas associações para o tratamento da Covid-19”, diz trecho do parecer da entidade. 

 

Segundo o cientista Gustavo Menezes, pós-doutorado em imunologia pela Universidade de Calgary, no Canadá, e que integra a SBI, há apenas comprovação da eficácia da cloroquina contra vírus em experimentos in vitro, ou seja, fora de organismos vivos. “Embora os artigos in vitro mostrem que a cloroquina tenham um papel importante antiviral, ainda faltam evidências em clinical trial [ensaio clínico] de que ela funcione para viroses”, afirmou o pesquisador. 

 

No Brasil, diversas instituições estudam a eficácia desses remédios. Entre eles hospitais de ponta, como o Albert Einstein e o Sírio Libanês, ambos em São Paulo. No final de março, o Ministério da Saúde publicou um protocolo em que autoriza o uso da cloroquina e hidroxicloroquina, a critério médico, para pacientes com a Covid-19 em estado grave.  Contudo, a pasta entende que falta a comprovação dos benefícios dos remédios e que eles podem causar complicações, como distúrbios cardiovasculares. 

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

REVENDA MODA INFANTIL

Vídeos relacionados