Pelo retorno do Rabo | TVPAULISTA.com Televisão via Internet

Artigo do Prof. Leo Rosa de Andrade Por séculos, o corpo foi extensão sagrada. Por se acreditá-lo criação divina, investigá-lo seria profanação. Era imprudente, então, fazer dissecaç...

artigo, reportagem, documentário, vídeo, notas, colunista, opinião, critica, jornalismo, vídeos

Pelo retorno do Rabo

Publicado por: Editor
14/10/2020 08:33 AM
Courtesy Pixabay
Courtesy Pixabay

Artigo do Prof. Leo Rosa de Andrade

Por séculos, o corpo foi extensão sagrada. Por se acreditá-lo criação divina, investigá-lo seria profanação. Era imprudente, então, fazer dissecação, trabalhar o cadáver, para conhecer anatomia etc. A medicina era limitada. Aliás, as próprias doenças eram vistas como vontade da divindade; orações seriam o melhor remédio. Religiosos coerentes creem nisso.


Veio o Renascimento e ressurgiu o interesse pela natureza. Aliás, anoto, Tomás de Aquino (1225-1274), respeitado pelas autoridades religiosas como um dos sábios da igreja católica, já propusera a separação entre o natural e o sobrenatural. Seria um bom argumento para dissecar defuntos humanos: eram pura natureza. A tese, todavia, não se fez prática.


Quem conseguiu estabelecer o argumento foi René Descartes (1596-1650), e o fez com ousadia: separou as substâncias, ou coisas, em: res cogitans (espírito), res divina (deus), res extensa (matéria). O ousado de sua propositura foi colocar o deus cristão como segunda coisa e, ademais, tirar-lhe a condição de certeza que o pensamento medieval lhe dava.


Para Descartes, a única certeza estava no cogito ergo sum (penso logo sou/existo). Que eu penso, é certo. Que existe uma divindade, já isso caiu no crivo do absolutismo cético que o filósofo exercitava em relação a qualquer crença ou convicção, as suas, inclusive (ceticismo metódico). A audácia fundou a Era Moderna – o tempo da investigação científica.


Resultado prático: o corpo é distinto do pensamento (registro: desde Baruch Espinosa (1632-1677) sabe-se que somos um corpo que pensa). Os restos mortais humanos passaram a ser objeto de estudos. Examinava-se com método e minudência a condição física da humanidade. O que Leonardo da Vinci (1452-1519) fazia em segredo agora se faria em escolas.


Desde então, progressos. Mais recentemente descobriu-se o gene, desenvolveram-se pesquisas. Chegou-se à engenharia genética. Alteraram-se coisas na natureza, como a soja, modificando-se sua composição genética. Reações diversas e iradas. Clonaram-se animais, ou seja, possibilitou-se que um ser visse nascer outro de si mesmo, sem cruzamento.


Oposição conservadora; o homem brincava de “criador”. Agora, a vida sintética, com um novo organismo sendo criado em laboratório, e capaz de se reproduzir. Invasão alarmante do espaço de deus; um cientista concorrendo com “sua” obra. É uma façanha científica com consequências de muitas ordens. Haverá influência na vida cotidiana e implicações morais.


Em tese, depois de feito em uma bactéria, são possíveis “mudanças em um genoma inteiro de um organismo, podemos adicionar novas funções, eliminar aquelas que não queremos e criar uma nova gama de organismos industriais que coloca todo o esforço deles naquilo que nós queremos que eles façam” (DC, 22mai10). Declaração de Craig Venter, autor do milagre.


No Brasil, na Universidade de Campinas, Gonçalo Pereira chefia um grupo de cientistas que projeta outras formas de vida. “O objetivo da equipe prevê a criação de organismos sob medida para realizar tarefas industriais, médicas ou agrícolas, por exemplo” (FSP, 23mai10). São notícias que aniversariam mais de uma década; deve haver resultados na praça.


Essas criaturas de laboratório, programadas para não ultrapassar dados limites e condições, estão destinadas a ser postas a serviço dos interesses humanos, poupando-os do estafante ou desagradável. A recém fabricada é simples, um organismo unicelular, e levará algum tempo até que se estruture um novo ser multicelular, como um cachorro, ou um humano.


O nome científico geral de tudo isso é Genômica, especialidade que tem dominado a ciência do século 21, e que se volta aos códigos da vida, qualquer vida. O que se se obteve foi a total recombinação dos genes de um organismo, criando um totalmente novo. O assunto me interessa: o humano diante das possibilidades humanas de lidar com o humano.


Fora da tradição cristã, portando à parte dos “tabus” que o Ocidente reserva ao estado de humanidade, os chineses adiantam-se: já em 2002 “uma equipe de pesquisadores chineses coordenada pela médica Lu Guangxiu teria clonado dezenas de embriões humanos e extraído deles células-tronco, de grande potencial terapêutico” (https://bityli.com/bclvU).


Agora, em 2018, “pesquisador chinês alega ter dado um passo inédito na ciência mundial: a criação dos primeiros bebês geneticamente modificados. He Jiankui diz ter alterado o DNA de gêmeas. Se for verdade, o feito, além de um grande salto para a ciência, seria também paradigmático no que tange à ética” (https://bityli.com/D5qwQ). Pessoalmente, sou a favor.


Acompanho, curioso e fascinado, notícias sobre transgenia, que recombina materiais genéticos (DNA) de seres existentes. “A partir de avanços tecnológicos, a genômica tem gerado informações que recebem destaques na grande mídia, gerando dúvidas sobre o que ainda será descoberto e como se descortinará a vida no futuro” (https://bityli.com/zbqfb).


As descobertas são variadas. Existem pesquisas relacionadas à saúde, alimentação, extinção de espécies etc. Em 2012 esteve no noticiário um rato que recebeu um gene de uma anêmona. O roedor tornou-se bioluminescente, parecendo estar aceso (https://bityli.com/VxROF). Já fizeram ratos inteligentes, reverteram Síndrome de Down e Doença de Parkinson.


A transgenia me atiça a imaginação: sempre desejamos voar; não temos asas. O morcego, mamífero como nós, tem. Toma-se o gene-chave da asa do morcego e se o insere em um primata. Algumas experiências depois, dará certo. Então, se um humano quiser, é só comprar um genezinho, que no futuro será vendido nas farmácias, e estará voando.


Quero essas asas. E cobiço mais: o gene que dá longevidade aos tubarões (você sabia?, há bichos que vivem para sempre?). E aspiro a outros, mas desejo muito, para minha diversão, o gene que dá o rabo do macaco. Fico fantasiando que, entre lençóis, um rabo desses terá muita função. Bem, estude o assunto, imagine a sua própria situação.

 

Léo Rosa de Andrade

Doutor em Direito pela UFSC. Psicanalista e Jornalista.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

REVENDA MODA INFANTIL