Ataques de insetos? Monstros invisíveis? A pandemia está a afetando os nossos sonhos | TVPAULISTA.com 100% Internet

A pandemia de covid-19 está afetando os sonhos e as mulheres tendem a ser mais afetadas do que os homens, sugere uma nova investigação levada a cabo por investigadores da Universidade Médica de Harvard, nos Estados Unidos.   “Estudei outros sonhos em p...

saude, hipertensão, cardiologia, mitos, verdades, doenças, criança, diabetes, infantil, pediatra, cuidados, desidratação, insolação, plano, assistência, avc, alergias

Ataques de insetos? Monstros invisíveis? A pandemia está a afetando os nossos sonhos

Publicado por: Editor
19/10/2020 12:40 PM

A pandemia de covid-19 está afetando os sonhos e as mulheres tendem a ser mais afetadas do que os homens, sugere uma nova investigação levada a cabo por investigadores da Universidade Médica de Harvard, nos Estados Unidos.

 

“Estudei outros sonhos em períodos de crise: os norte-americanos depois do 11 de setembro, os kuwaitianos após a ocupação iraquiana e sonhos de ocupantes de um campo de prisioneiros de guerra nazi”, começou por explicar Deirdre Barrett, professora assistente da Harvard Medical School, em declarações ao PsyPost.

 

“Então, assim que a pandemia começou, fiquei interessada em ver como é que os sonhos neste período seriam semelhantes a outras crises e quaisquer outros elementos distintivos que possam ter”, continuou.

 

Para chegar a eventuais pontos de contacto ou divergência, a especialista levou a cabo uma investigação online entre 23 de março e 15 de julho, pedindo aos voluntários que descrevessem os seus sonhos durante a pandemia, conta o IFL Science.

 

Ao todo, recolheu mais de 9.000 experiências, que variam desde sonhos comuns (“Olhei para a minha barriga e vi riscas azuis. E ‘lembrei-me’ que esses eram os sintomas iniciais da covid-1”) até aos mais bizarros (“Era um anticorpo gigante”).

 

Os sonhos no período de pandemia foram analisados segundo várias categorias – emoções positivas, emoções negativas, raiva, ansiedade, tristeza, relacionadas com o corpo, saúde ou morte -, sendo depois comparados com sonhos recolhidos antes da pandemia.

 

Barrett encontrou padrões nos sonhos analisados, encontrando grandes diferenças entre os sonhos pré e pós-pandemia. “Existem metáforas muito distintas para a covid-19 (…) Sonhos de ataques de insetos e de monstros invisíveis. Isto reflete que esta crise é menos visível ou concreta do que outras que enfrentamos”, escreveu no seu novo livro Pandemic Dreams, citado pelo mesmo portal de Ciência.

 

Mulheres mais afetadas

O stress associado à pandemia de covid-19 gerou, como era de esperar, mais emoções negativas associadas aos sonhos durante este período de crise, para homens e mulheres. No entanto, a diferença entre os sonhos pré e pós pandemia mostrou-se mais pronunciada entre os voluntários do sexo feminino.

 

Além de passarem por experiências com menores sentimentos positivos, as mulheres sentiram também muito mais ansiedadetristezaraiva e sonhos relacionados com a saúde e a morte, quando comparadas com o período pré-pandemia.

 

A pandemia parece ter afetado menos os sonhos dos homens, embora estes mostrem também níveis ligeiramente mais altos de ansiedade, emoções negativas e sonhos que envolvem mais mortes do que nos seus sonhos pré-pandémicos.

 

Barrett reconhece que existem limitações no seu estudo, que se concentra nas diferenças de género e não inclui uma análise de dados internacionais por país, nem por período de tempo. Ainda assim, pretende continuar a estudar este assunto.

 

“Nos últimos três meses, os sonhos progrediram de representações assustadoras da nova e misteriosa ameaça à impaciência com as restrições, e a mais medo, consoante o mundo começa a voltar a reabir”, escreveu a especialista no seu livro, publicado em junho.

 

“E os sonhos começaram apenas a considerar o quadro geral: como é que a sociedade pode mudar”, escreveu na mesma publicação.

 

Os resultados da investigação foram recentemente publicados na revista Dreaming.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Compartilhar

Comentários