Justiça nega indenização a Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, por reportagem de revista | TVPAULISTA.com Televisão via Internet

Matéria cumpriu o dever de informar.   A 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo reformou sentença de primeira instância e negou pedido de indenização por danos morais movido por ex-presidente da Confederação Brasileira de Fute...

tjsp, apelação, julgamento, decisão, crime, improbidade, dano

Justiça nega indenização a Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, por reportagem de revista

Publicado por: Editor
24/10/2020 02:34 PM
Cortesia Pixabay
Cortesia Pixabay

Matéria cumpriu o dever de informar.

 

A 8ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo reformou sentença de primeira instância e negou pedido de indenização por danos morais movido por ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) contra revista semanal por suposta ofensa à imagem. Numa das matérias, a publicação abordou investigações contra o autor que estariam ocorrendo na Suíça.

 


Para a relatora do recurso, Mônica de Carvalho, o pedido de indenização não merece provimento, uma vez que “não se vislumbrou na matéria apresentada o intuito de difamar o autor, mas apenas o de informar um fato desabonador ao requerente, cujo interesse público é inafastável, já que envolve o futebol profissional, verdadeira paixão da sociedade, que movimenta expressivas quantias, inclusive de dinheiro público”.

 


Na decisão, a magistrada ressaltou que a reportagem foi feita dentro dos limites do dever de informar, pautada pela garantia constitucional da liberdade de imprensa, não se revelando a intenção difamatória ou a falta grave de acuidade nas informações prestadas. “A mera menção ao fato de que o autor havia sido condenado na Suíça, quando ele havia feito acordo justamente para que o processo fosse encerrado, não deve justificar a imposição de dano moral, já que a própria reportagem traz a explicação do que havia acontecido, não se caracterizando a intenção de falsear a verdade, mas um mero descuido de redação. Não foi esse erro na rubrica que maculou a imagem do autor, foram os fatos”, escreveu.

 


O julgamento, de votação unânime, teve a participação dos desembargadores Alexandre Coelho e Clara Maria Araújo Xavier.

 

 Apelação Cível nº 0009863-15.2016.8.26.0100

 

Fonte: Comunicação Social TJSP

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar