China proíbe entrada de especialistas para estudar origens do vírus. OMS “desiludida” | TVPAULISTA.com 100% Internet

A China travou a entrada da equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que está a investigar as origens da pandemia do novo coronavírus, alegando que os seus vistos ainda não tinham sido aprovados, embora alguns integrantes do grupo já estivessem a c...

corona, covid, contagioso, vacina, seringas, saúde, ar, máscara, oms, alertas

China proíbe entrada de especialistas para estudar origens do vírus. OMS “desiludida”

Publicado por: Editor
06/01/2021 08:48 AM
Courtesy Pixaby
Courtesy Pixaby

A China travou a entrada da equipe da Organização Mundial da Saúde (OMS) que está a investigar as origens da pandemia do novo coronavírus, alegando que os seus vistos ainda não tinham sido aprovados, embora alguns integrantes do grupo já estivessem a caminho.

 

O diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse “estar desiludido” com as autoridades chinesas, por não terem ainda permitido a entrada na China de uma equipa de especialistas que vai examinar as origens da covid-19.

 

Numa rara crítica a Pequim, o responsável da OMS disse que os membros de uma equipa internacional de cientistas encarregada de rastrear a origem do coronavírus deixaram os respetivos países, nas últimas 24 horas, como parte de um acordo com o Governo chinês.

 

“Hoje soubemos que as autoridades chinesas ainda não finalizaram as permissões necessárias para a chegada da equipa à China”, disse Tedros, durante uma conferência de imprensa, em Genebra. “Estou muito desapontado com esta notícia, visto que dois membros já começaram a viagem e outros não puderam partir no último minuto”.

 

Tedros garantiu que “deixou claro” que a missão é uma prioridade para a agência de saúde da ONU e que tem a “certeza de que a China está a acelerar os procedimentos internos” para que os trabalhos de investigação arranquem. “Estamos ansiosos para iniciar esta missão o mais rápido possível”, disse.

 

A China negou esta quarta-feira ter impedido a entrada no país da equipa de especialistas que vai examinar as origens da covid-19 e garantiu que as discussões com a Organização Mundial da Saúde (OMS) prosseguem.

 

“A China está em contacto com a OMS para que especialistas possam visitar o país. A China está a trabalhar muito nas ambiciosas tarefas de prevenção, mas ainda enfrenta dificuldades para acelerar os preparativos, algo que a OMS sabe perfeitamente bem”, afirmou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Hua Chunying.

 

Hua afirmou que “primeiro é preciso concluir os procedimentos necessários e tomar as medidas pertinentes”. “Ainda estamos a negociar com a OMS sobre isso”, apontou. “Nunca houve qualquer problema de cooperação entre a China e a OMS. As duas partes estão em contacto para marcar uma data e preparar a visita”.

 

Espera-se que os especialistas visitem a cidade de Wuhan, onde foram detetados os primeiros casos de covid-19 em dezembro de 2019. O chefe de emergências da Organização Mundial de Saúde, Michael Ryan, disse que a investigação devia ter arrancado na terça-feira, mas que as aprovações necessárias não foram ainda concedidas, incluindo a emissão de vistos.

 

A imprensa estatal e as autoridades chinesas têm difundido informações que apontam para uma origem externa do vírus, possivelmente através da importação de alimentos congelados, o que é rejeitado pela OMS. Itália, Estados Unidos e Índia foram já apontados como locais de origem da doença.

 

Por outro lado, de acordo com o jornal britânico The Guardian, a expedição à China não pretende investigar as alegações de que o vírus se originou num laboratório chinês, que foram rejeitadas pela maioria dos cientistas.

 

A missão foi criticada pelos Estados Unidos, onde o Presidente cessante, Donald Trump, culpou categoricamente os chineses pela pandemia. Garrett Grigsby, do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, disse em novembro que a investigação parecia “inconsistente” com o mandato da OMS. “Compreender as origens da covid-19 através de uma investigação transparente e inclusiva é o que deve ser feito para cumprir o mandato.”

 

Ilona Kickbusch, diretora fundadora e presidente do Centro de Saúde Global em Genebra, disse que a geopolítica atrapalhou a união de países para derrotar a pandemia e as hostilidades que foram geradas podem atrapalhar a descoberta de como começou. “Acho que será incrivelmente difícil encontrar a origem do vírus, porque muito tempo se passou”, disse Kickbusch.

 

Fonte Original: Maria Campos, Planeta ZAP // Lusa

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários