Você usa máscaras de pano? Isso é um problema

Publicado por: Editor
08/01/2022 12:39 PM
Exibições: 121
Cortesia Editorial Pixabay
Cortesia Editorial Pixabay

Autoridades e especialistas nos EUA já avisaram que a variante Ómicron espalha-se mais rapidamente se as pessoas estiverem com uma máscara de pano no rosto.

 

COVID-19 é um período de experiências, de novidades. E a novidade chamada Ómicron trouxe novas análises, novas adaptações. Uma delas está relacionada com a utilização de máscaras de pano, que não é recomendada.

 

Nos Estados Unidos da América, as autoridades e vários especialistas já avisaram que a protecção oferecida pelas máscaras de pano não é tão eficaz, agora: “As máscaras de pano não vão resultar com a Ómicron“, disse à National Public Radio a investigadora Linsey Marr.

 

A pesquisadora em Virginia Tech é uma das várias especialistas que avisam que as máscaras de pano não evitam tanto a transmissão de minúsculas partículas que podem transportar o vírus até ao nariz ou à boca de cada um. Não são tão eficazes desde que apareceu esta nova variante: “Filtro decente, talvez, OK. Mas quando estamos perante uma variante tão transmissível como a Ómicron, OK não chega“.

 

O conselho, neste contexto, é optar por máscaras cirúrgicas descartáveis com três camadas ou fazer uma “actualização” para as denominadas máscaras N95 ou PFF2, ou algo similar, que também apresente uma elevada eficiência da filtração bacteriana. Estas protegem mais as pessoas da Ómicron. Usar só uma máscara de pano? Não.

 

Especialista em doenças infecciosas na Universidade de Stanford, Abraar Karan aconselha a utilização das máscaras N95, KN95 e KF94, por serem feitos de material com carga eletroestática: “Na verdade puxam as partículas enquanto flutuam e impede a inalação dessas partículas“.

 

Mas a N95 é mesmo a mais eficaz, aparentemente. Um estudo da Universidade de Duke apresentou uma eficácia de 99 por cento no bloqueio das partículas. E a N95 também é…a mais cara. A seguir, as máscaras cirúrgicas.

 

E, ainda sobre a N95, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças nos EUA pediu publicamente à população para tentar “reservar” essas máscaras para os profissionais de saúde. Embora essa escassez só se tenha verificado durante os primeiros meses da pandemia; depois não houve problemas.

 

Robert Wachter, líder do Departamento de Medicina da Universidade de Califórnia, lembrou que a variante Ómicron é muito mais transmissível do que anteriores e acrescentou: “As pessoas tinham encontros com outras, nas variantes anteriores, e não ficavam infectadas; agora, nesses mesmos encontros há uma probabilidade bem grande de ficarem infectadas“.

 

Por   Nuno Teixeira da Silva,Originalmente Publicado Por: Planeta  ZAP /

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários