Revelados planos russos para invasão da Bielorrússia

Publicado por: Editor
21/04/2022 07:57 PM
Exibições: 163

Ucrânia revela planos militares russos para “invasão em larga escala da Bielorrússia”

 

Por Brian Whitmore*

Aparentemente, a Ucrânia não é o único país que a Rússia vem planejando invadir nos últimos anos. No verão de 2020, a Rússia supostamente desenvolveu um plano detalhado para invadir e ocupar a Bielorrússia, de acordo com informações divulgadas pela inteligência militar ucraniana.

 

“Após a falsificação das eleições presidenciais na Bielorrússia, a Federação Russa desenvolveu um plano para invadir e reprimir protestos populares”, afirmou em 19 de abril a Diretoria Principal de Inteligência do Ministério da Defesa ucraniano. documento militar secreto russo que apresenta a justificativa e o plano para uma invasão da Bielorrússia.

 

O documento observou a situação “tensa” na Bielorrússia após as eleições presidenciais profundamente falhas do país em 9 de agosto de 2020. Ele fez referência às “atividades subversivas” do líder da oposição Sviatlana Tsikhanouskaya do exílio na Lituânia e alegou que uma “campanha de informação em larga escala” estava em andamento para construir um consenso para uma mudança violenta de regime na Bielorrússia. Se isso não pudesse ser evitado, argumentava o documento, a Rússia poderia ser arrastada para uma guerra em grande escala com a OTAN.

 

O documento delineava um “plano para reagrupar as formações e unidades militares do Primeiro Exército de Tanques nas proximidades da missão” para invadir a Bielorrússia. De acordo com o plano, as tropas seriam desdobradas “sob o pretexto de participar de um exercício conjunto com as forças armadas da República da Bielorrússia”.

 

A autenticidade das informações tornadas públicas pela Ucrânia não pôde ser verificada de forma independente. Se preciso, as alegações de inteligência ucraniana sugerem que uma invasão em grande escala da Bielorrússia era uma possibilidade muito real no verão de 2020, menos de dois anos antes de a Rússia realizar uma invasão em grande escala da Ucrânia.

 

A existência de um plano russo para invadir a Bielorrússia é plausível considerando o estado tenso das relações entre Moscou e Minsk no período que antecedeu as eleições presidenciais de agosto de 2020 na Bielorrússia. Em contraste com a estreita aliança estratégica de hoje entre Vladimir Putin e Alyaksandr Lukashenka, houve uma tensão significativa no relacionamento ao longo de 2019 e no primeiro semestre de 2020.

 

Enfrentando sanções e uma economia em dificuldades, Putin reduziu os subsídios russos e a assistência econômica à Bielorrússia. Moscou também estava pressionando a Bielorrússia a fazer uma série de concessões, como hospedar uma nova base militar russa em seu território, integrar mais profundamente as forças armadas do país e aceitar um projeto de integração econômica revivido que teria efetivamente encerrado a soberania bielorrussa.

 

De sua parte, Lukashenka estava resistindo a esses esforços e tentando consertar as relações de Minsk com o Ocidente. No início de 2020, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, viajou para a Bielorrússia em um esforço para “normalizar” os laços tensos com o país.

 

Durante uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Uladzimer Makei, na época, Pompeo disse: “Os Estados Unidos querem ajudar a Bielorrússia a construir seu próprio país soberano. Nossos produtores de energia estão prontos para fornecer 100% do petróleo de que você precisa a preços competitivos. Sua nação não deve ser forçada a depender de nenhum parceiro para sua prosperidade ou sua segurança.”

 

Havia indicações na época de que a inteligência militar da Rússia, o GRU, e seu Serviço de Inteligência Estrangeira, o SVR, estavam alarmados com os esforços de Lukashenka para preservar a independência da Bielorrússia, tentando aproximar o país do Ocidente.

 

A situação geopolítica mudou drasticamente nos últimos dois anos em favor de Moscou. A brutal repressão de Lukashenka à dissidência após a eleição presidencial bielorrussa de agosto de 2020 e sua resultante alienação do Ocidente levaram a uma crescente dependência do Kremlin. Isso parece ter removido a necessidade de uma invasão russa em larga escala da Bielorrússia.

 

Putin ganhou tudo o que quer na Bielorrússia sem disparar um tiro. Lukashenka depende completamente do Kremlin, o que permitiu à Rússia realizar o que equivale a uma “anexação suave” do país. A Bielorrússia tornou-se uma extensão de fato do Distrito Militar Ocidental da Rússia, com Moscou capaz de expandir suas pegadas econômicas e políticas no país.

 

A Bielorrússia também se viu envolvida na Guerra da Ucrânia de Putin. Embora Minsk ainda não tenha contribuído com tropas para a invasão da Ucrânia pela Rússia, Lukashenka permitiu que a Rússia usasse a Bielorrússia como uma área de preparação para as tropas russas e permitiu que Putin lançasse ataques aéreos contra cidades ucranianas a partir do território bielorrusso.

 

Este papel de apoio no conflito despertou preocupações de que a posição dominante da Rússia na Bielorrússia possa ficar ameaçada. A opinião pública na Bielorrússia se opõe fortemente à guerra na Ucrânia, com esforços em andamento para interromper o trânsito de tropas russas por meio de sabotagem da rede ferroviária do país. Enquanto isso, centenas de bielorrussos se juntaram a batalhões de voluntários que lutam ao lado da Ucrânia. À medida que a guerra se arrasta, a possibilidade de desestabilização interna na Bielorrússia pode aumentar significativamente. 

 

Por enquanto, Putin encontra-se atolado na Ucrânia. No entanto, ele ainda pode voltar sua atenção mais uma vez para uma tomada militar em larga escala da Bielorrússia se a oposição pública ao envolvimento da Bielorrússia na invasão da Ucrânia continuar aumentando e ameaçar minar a influência russa. Com base em recentes reivindicações ucranianas, os planos para tal operação podem já estar em vigor.

 

*Brian Whitmore é membro sênior não residente do Eurasia Center do Atlantic Council, professor assistente de prática na Universidade do Texas em Arlington e apresentador do The Power Vertical Podcast.

 

Originalmente Publicado por: Atlantic Council

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários