Como fazer seu parceiro te entender

Publicado por: Editor
27/05/2022 10:19 PM
Exibições: 81
É importante ser claro e direto sobre o que você pensa ou sente (Foto: DmitryPoch/Depositphotos)
É importante ser claro e direto sobre o que você pensa ou sente (Foto: DmitryPoch/Depositphotos)

Para começar pare de pensar que ele ou ela pode ler sua mente.

 

Por David Ladden

Os casais procuram a ajuda de psicólogos por vários motivos, mas muitas vezes os problemas que enfrentam são devidos a mal-entendidos. Estudos mostram que cerca de um quarto das pessoas que se submetem à terapia de casais reclamam que seu parceiro simplesmente não os entende.

 

Nesses casos, os terapeutas geralmente ensinam habilidades de comunicação a seus clientes. Por exemplo, eles sugerem o uso de mensagens em uma conversa: “Eu fico com raiva quando...” em vez de “ Você me deixa com raiva porque...”. Outra dica é parafrasear e repetir o que você ouve para ter certeza de que entendeu tudo corretamente.

 

O senso comum elementar lhe diz que, se você quer que seu parceiro o entenda, você precisa expressar claramente seus pensamentos e sentimentos. No entanto, em relacionamentos reais com nossos entes queridos, muitas vezes não lidamos com essa tarefa.

 

Por que não podemos expressar nossos pensamentos e sentimentos
Os mal-entendidos entre os parceiros podem surgir por vários motivos. Primeiro, em nossa cultura, é costume acreditar que um cônjuge deve ser capaz de ler seus pensamentos. Os parentes são realmente muito bons em ler os pensamentos e sentimentos uns dos outros, pelo menos durante a comunicação cotidiana. No entanto, a capacidade de ler mentes geralmente falha quando é mais necessária - durante a busca de uma solução para o conflito.

 

Outra razão pela qual ocorrem falhas de comunicação é que não sabemos como olhar a situação do ponto de vista do nosso parceiro. O que parece óbvio para nós por padrão pode não ser tão óbvio para ele ou ela. Tomamos algo “ como garantido” e assumimos que nosso parceiro sabe o que estamos pensando, quando na verdade ele ou ela não tem ideia disso. Uma regra simples e confiável para tal caso é assumir que nada é " óbvio" e declarar tudo claramente.

 

Finalmente, a comunicação pode falhar porque o ouvinte não quer ouvir as palavras do falante. Isso geralmente acontece porque a pessoa que ouve percebe essas palavras como uma ameaça a si mesma ou ao relacionamento. A pesquisa sobre resolução de conflitos em casais não fornece uma resposta clara para a questão de quantas vezes isso acontece, mas não há dúvida de que em alguns casos é exatamente isso que acontece.

 

O que um parceiro disse e o que o outro ouviu
Embora os terapeutas ensinem habilidades de comunicação de senso comum a seus clientes há décadas, há poucas pesquisas sobre a eficácia delas. Para preencher essa lacuna, a psicóloga holandesa Laura Sells e seus colegas realizaram um estudo de comunicação autêntica entre 155 casais do sexo oposto. Eles publicaram recentemente os resultados deste estudo no Journal of Family Psychology.

 

Os autores deste estudo optaram por mensurar duas medidas: expressividade e acurácia empática. A expressividade é a clareza com que o falante expressa seus pensamentos e sentimentos, e a precisão empática é o quanto o ouvinte entende o significado das palavras do falante.

 

A ideia ingênua de comunicação é que o falante envia uma mensagem e o ouvinte a recebe. Na realidade, tudo é muito mais complicado, por pelo menos dois motivos. Primeiro, a mensagem enviada pelo falante nem sempre expressa claramente o significado embutido nela. E em segundo lugar, os ouvintes precisam interpretar a mensagem, e geralmente o fazem do seu próprio ponto de vista, e não do ponto de vista do falante. De fato, estudos mostram que a precisão empática na comunicação entre parceiros é de apenas 25-30%, o que significa que muito se perde na tradução.

 

Testando o senso comum no laboratório
Para este estudo, cada parceiro selecionou vários " tópicos quentes" de uma lista, um dos quais foi escolhido aleatoriamente. O casal discutiu esse problema por 11 minutos e tentou encontrar uma solução. Eles conversaram em particular, mas a conversa foi gravada em vídeo.

 

Depois disso, cada um dos parceiros viu essa gravação. A cada 90 segundos, o vídeo era pausado e os participantes do estudo respondiam a uma série de perguntas. Se foram eles que falaram, contaram o significado que buscaram colocar em suas palavras e como, na opinião deles, conseguiram. Se eles estavam ouvindo, eles explicavam o que achavam que o orador queria dizer. Eles também comentaram sobre o quão ameaçadora era a mensagem.

 

Como muitas vezes não sabemos quão bem conseguimos expressar nosso pensamento, o estudo também envolveu quatro observadores objetivos que, durante cada uma das pausas, avaliaram a expressividade do falante. Como esperado, os falantes geralmente classificaram sua própria expressividade acima dos observadores objetivos. Além disso, a precisão empática do ouvinte foi maior quando observadores objetivos apreciavam muito a expressividade do falante, mas nem sempre quando o falante tinha certeza de que se expressava com clareza.

 

Os pesquisadores também dividiram as declarações entre aquelas que expressam pensamentos e aquelas que expressam sentimentos. Trabalhos científicos anteriores mostraram que os falantes tendem a usar mais palavras ao compartilhar pensamentos do que ao descrever emoções. Além disso, quando uma pessoa fala sobre o que pensa, os interlocutores dão mais importância à comunicação verbal e, quando se trata de sentimentos, são mais guiados por sinais não verbais - gestos, expressões faciais e entonações.

 

E assim os cientistas sugeriram que a clareza das palavras é mais importante para transmitir pensamentos do que sentimentos. No entanto, não é. Em vez disso, os ouvintes eram melhores em capturar pensamentos e sentimentos se o falante articulasse a mensagem com clareza, conforme avaliado por observadores objetivos.

 

Finalmente, os pesquisadores sugeriram que a precisão empática é reduzida se o ouvinte se sentir ameaçado pelo falante. Quando os participantes viram vídeos de suas conversas, eles indicaram o quão ameaçadora a conversa lhes parecia naquele momento. E a análise dos dados mostrou que os ouvintes interpretaram as palavras dos falantes com igual precisão, independentemente de quão ameaçador eles considerassem seu conteúdo.

 

Em última análise, este estudo demonstra a importância de expressar seus pensamentos de forma clara e direta. Discutir questões controversas com seu parceiro pode ser muito desgastante, e sempre há a tentação de evitar a comunicação direta para não ferir os sentimentos de seu parceiro ou os seus. No entanto, dicas ou rodeios não resolverão o problema, nem suposições irracionais de que suas intenções são claras sem palavras ou que seu parceiro deve ser capaz de ler seus pensamentos.

 

Em vez disso, para resolver o conflito, você precisa expressar seus pensamentos diretamente e ouvir pacientemente o que seu parceiro tem a dizer. Pode ser doloroso no início, como limpar uma ferida, mas esse desconforto momentâneo marca o início do processo de cicatrização.

 

Originalmente publicado por: NV.ua

 

 

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários