A diretora do escritório ucraniano da Anistia Internacional demitiu-se

Publicado por: Editor
05/08/2022 05:27 PM
Exibições: 91
Oksana Pokalchuk (foto de arquivo) diz: Ainda ontem eu tinha uma esperança ingênua de que seria capaz de consertar tudo... E esse texto será excluído e outro aparecerá em seu lugar. Hoje percebi que isso não vai acontecer
Oksana Pokalchuk (foto de arquivo) diz: Ainda ontem eu tinha uma esperança ingênua de que seria capaz de consertar tudo... E esse texto será excluído e outro aparecerá em seu lugar. Hoje percebi que isso não vai acontecer

Na noite de 5 de agosto, a diretora do escritório ucraniano da organização internacional de direitos humanos Anistia Internacional, Oksana Pokalchuk, anunciou sua decisão de renunciar ao cargo

 

"Estou me demitindo da Anistia Internacional na Ucrânia. Essa é mais uma perda que a guerra me trouxe. Trabalho favorito, 7 anos de vida, planos para o futuro e os últimos 5 meses - uma tábua de salvação na forma de trabalho de direitos humanos em benefício do país natal durante a guerra. Tudo se chocou contra o muro da burocracia e uma barreira linguística surda. Não é sobre o inglês, é sobre o fato de que se você não mora em um país invadido por invasores e o está despedaçando, provavelmente não entende o que é condenar um exército de defensores. E não há palavras em nenhuma língua que possam transmitir isso a alguém que não sentiu essa dor. Mesmo ontem eu tinha uma esperança ingênua de que eu poderia consertar tudo. Vamos fazer pelo menos 200 reuniões e ainda explicar, chegar, dar nossa opinião. E esse texto será excluído e outro aparecerá em seu lugar. Hoje percebi que isso não vai acontecer."

 

Ela acrescentou que relatórios importantes publicados durante a guerra "não devem conter dados sobre o outro lado da guerra, sobre quem começou esta guerra".

 

"Nós, do lado do escritório ucraniano, enfatizamos constantemente que o comunicado de imprensa divulgado pela organização em 4 de agosto deveria ter investigado pelo menos dois lados e levado em consideração a posição do Ministério da Defesa da Ucrânia. Como observamos, os representantes da Anistia Internacional eventualmente pediram uma resposta ao Ministério da Defesa, mas deram muito pouco tempo para uma resposta. Como resultado, sem querer, a organização criou um material que soava como suporte para narrativas russas. Buscando proteger os civis, essa pesquisa se tornou uma ferramenta de propaganda russa", acrescentou Pokalchuk.

 

Ela concluiu que está deixando seu cargo com a esperança de que "seremos capazes de mover as organizações internacionais, torná-las mais humanas, mais flexíveis e capazes de responder efetivamente às crises não apenas na Ucrânia, mas também em todo o mundo: onde as ditaduras e déspotas procuram à força capturar pessoas livres."

 

No dia anterior, a organização internacional de direitos humanos Anistia Internacional afirmou em um novo relatório que os militares ucranianos estão colocando em risco a população civil ao criar bases e colocar armas em áreas residenciais, incluindo escolas e hospitais, durante a defesa contra uma invasão russa em grande escala. .

 

As autoridades ucranianas, os militares, a Ouvidoria e o público chamaram a denúncia de injusta, manipuladora e dando mais prioridade às ações do país agressor.

 

O escritório ucraniano da Anistia Internacional afirmou que "relatórios" dessa natureza são o trabalho de uma equipe separada - o Departamento de Resposta a Crises.

 

Notícias sobre este relatório circularam ativamente nos meios de comunicação russos.

 

O Ministério da Defesa disse que a Ucrânia está aberta a investigações sobre o cumprimento das leis e costumes de guerra, mas as organizações internacionais devem antes de tudo exigir o fim da agressão armada da Rússia.

 

A secretária-geral da Anistia Internacional, Agnes Calamar, depois de criticar a organização, disse que "os trolls ucranianos e russos estão atacando a investigação", mas isso "não enfraquecerá nossa imparcialidade e não mudará os fatos".

 

Editado por Mike N. com informações da Agência Svoboda

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários