Macron: Países neutros sobre a guerra na Ucrânia tornam-se cúmplices da Rússia

Publicado por: Editor
21/09/2022 03:13 PM
Exibições: 49
Agencia Brasil
Agencia Brasil

Os países que se recusam a ficar do lado da Ucrânia na guerra contra a Rússia são "cúmplices" do novo imperialismo russo.

 

Isto foi afirmado pelo presidente francês Emmanuel Macron na sessão da Assembleia Geral da ONU, escreve "Pravda" com referência ao Politico.

 

"Aqueles que estão calados hoje estão servindo - contra sua vontade ou secretamente com alguma cumplicidade - a causa do novo imperialismo", disse Macron.

 

Macron disse que a agressão da Rússia contra a Ucrânia marcou um "retorno à era do imperialismo e das colônias" e que o mundo enfrenta uma escolha entre "guerra e paz".

 

Enquanto aliados ocidentais, como a França, mostraram uma frente unida contra a Rússia após a invasão da Ucrânia, a resposta na América Latina ( Brasil) África e na Ásia foi de neutralidade.

 

Alguns países não querem condenar a Rússia com muita força. Essa tendência se refletiu na votação da ONU em abril, quando 58 países, incluindo Índia, Brasil, África do Sul e Indonésia, se abstiveram de votar uma resolução para expulsar a Rússia do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

 

O presidente francês reconheceu o "senso de injustiça" sentido pelos países afetados pelos efeitos da guerra, relacionados à alimentação, energia e suas economias. Mas ele também emitiu um forte alerta para aqueles que querem permanecer "neutros".


"Hoje quero deixar claro: aqueles que querem imitar a luta dos Não-Alinhados recusando-se a falar claramente estão cometendo um erro e terão uma responsabilidade histórica", disse ele, referindo-se ao Movimento dos Não-Alinhados durante a Guerra Fria. .

 

Macron também anunciou em seu discurso que a França financiará o transporte de trigo ucraniano para a Somália em parceria com o Programa Mundial de Alimentos da ONU.

Com informações do Pravda

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários