Putin queria tomar a Ucrânia dividindo o Ocidente — mas o apoio à NATO nunca foi tão forte

Publicado por: Editor
09/01/2023 12:22:36
Exibições: 207

Onze meses após o início da guerra, criou-se um maior apoio militar da OTAN à Ucrânia do que jamais visto antes

 

Quando Vladimir Putin enviou a sua máquina de guerra para a Ucrânia em fevereiro (24/2/22) último, uma das razões apontadas para a invasão foi para assegurar o estatuto neutro da Ucrânia e impedir o seu governo de colar o país ao Ocidente. Embora haja mais por detrás desta guerra, o líder russo há muito que expressa preocupações sobre a possibilidade de a Ucrânia procurar uma cooperação militar mais estreita com a OTAN, tendo em vista a sua eventual adesão à aliança. A “operação militar especial” visava travar esta situação no seu caminho.

 

Mas após meses de guerra sangrenta tiveram o efeito contrário. Existe agora um maior apoio militar da OTAN à Ucrânia do que alguma vez existiu. Este vai desde equipamento médico ao treino e armamento avançado — ultrapassou os 20 Bilhões de dólares só de Washington.

 

Isto — e a incapacidade da Rússia de derrubar o governo ucraniano nos primeiros dias da guerra — são amplamente aceitos como um grande erro estratégico da Rússia. Putin sobrestimou a extensão do apoio da Rússia entre o povo ucraniano e subestimou a força da identidade nacional ucraniana. Mas como é que a guerra afetou as atitudes em relação à neutralidade e à OTAN entre o povo ucraniano comum?

 

Os dados mais recentes sobre atitudes das pessoas antes e depois da invasão mostram que os ucranianos que antes viam o seu futuro orientado para a Rússia estão agora a olhar cada vez mais para o Ocidente. O apoio à adesão à OTAN está no auge, e os ucranianos que anteriormente favoreciam a neutralidade já não o fazem. Estas tendências são particularmente acentuadas entre os inquiridos mais jovens.

 

Em 2019-2020, realizámos um conjunto de sondagens de opinião pública representativas a nível nacional em vários dos estados da Rússia “próximos do estrangeiro”. Dado que o governo russo há muito que utiliza mecanismos de soft power (como os meios de comunicação social e televisão pró-russos, a igreja e a sociedade civil) para tentar convencer os cidadãos destes países de que fazem parte do “mundo russo”, um grupo de investigadores avaliou também as orientações geopolíticas das pessoas comuns.

 

Num projeto de investigação iniciado em 2019, uma equipe planejou a realização de duas rodas de inquéritos para traçar se e como as mudanças geopolíticas afetaram as opiniões das pessoas ao longo do tempo. Em cooperação com o Kyiv International Institute of Sociology, foi feito o primeiro inquérito na Ucrânia em dezembro de 2019 (financiado pela US National Science Foundation), e em outubro de 2022  um inquérito de acompanhamento (financiado pelo Norwegian Research Council).

 

Devido à guerra, o segundo inquérito foi feito por telefone e não cara a cara, com a equipe a voltar a entrevistar quase 20% dos inquiridos em 2019. Embora os inquéritos apresentem uma oportunidade única de analisar como a guerra da Rússia na Ucrânia mudou a opinião pública, há pelo menos dois desafios que exigem cautela.

 

A guerra de Putin saiu pela culatra

Os dados recolhidos mostram que a invasão da Rússia pouco fez, mas encorajou os ucranianos a voltarem-se para o Ocidente. A invasão e a guerra brutal — incluindo crimes de guerra, o ataque de civis e infra-estruturas civis, crianças deslocadas à força para a Rússia, e deslocações em massa — pouco fizeram, talvez sem surpresa, para que as pessoas olhassem para a Rússia como o seu futuro.

 

Esta tendência é particularmente acentuada entre os indivíduos de 18 a 30 anos, entre os quais quase 47% pensam que a Ucrânia deveria estar orientada para o Ocidente, em comparação com apenas 3% que pensam que deveria estar orientada para a Rússia.

 

No que diz respeito à OTAN e à neutralidade, vemos uma mudança semelhante. Consistente com outras sondagens de opinião pública que, durante anos, tinham mostrado apoio à adesão à OTAN entre 30 e 40%, a referida sondagem de 2019 mostrou que o apoio à adesão à aliança era de cerca de 44%. Mas na nossa sondagem de outubro de 2022, oito meses após a invasão, a percentagem de inquiridos a favor da adesão foi de 77%.

 

Como seria de esperar, em outubro de 2022 a neutralidade tinha-se tornado menos atrativa para muitos ucranianos do que em 2019, quando mais pessoas viam a neutralidade como a opção preferida. Agora existe uma clara maioria contra a neutralidade.

 

O apoio é especialmente elevado entre as pessoas mais jovens da amostra complementada em 2022 — mais de 70% dos inquiridos com idades compreendidas entre os 18 e os 30 anos discordaram da afirmação de que seria “melhor para a segurança do nosso país ser neutro e manter-se fora de alianças militares”.

 

A invasão russa da Ucrânia tem sido um fiasco militar para a Rússia. Também acelerou o processo que foi concebido para impedir, o alinhamento da Ucrânia com as instituições euro-atlânticas – especialmente a OTAN. Atacando um país onde a maioria das pessoas antes da guerra olhava favoravelmente para a neutralidade e cética em relação à OTAN, a invasão de Putin conseguiu inverter este sentimento.

 

Com informações do ZAP/The Conversation

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários