Efeitos da vacina ASTRAZENECA leva laboratórios aos Tribunais na Europa

Publicado por: Feed News
30/06/2023 15:04:57
Exibições: 106
Divulgação/Redes Sociais/Captura de Tela
Divulgação/Redes Sociais/Captura de Tela

Começaram processos nos tribunais europeus por efeitos secundários da vacina Astrazeneca contra Covid-19

 

150 mil euros por ter ficado surda: AstraZeneca enfrenta o primeiro processo alemão relacionado com suposto efeito secundário da sua vacina. Centenas de processos vão surgir ainda neste Verão mas as farmaceuticas estão tranquilas?

 

Fala-se sobre isso desde 2020, agora os casos seguem para os tribunais: nesta segunda-feira a AstraZeneca começou a enfrentar o primeiro processo judicial, na Alemanha, por causa de supostos efeitos secundários causados pelas suas vacinas anti-covid.

 

E as farmaceuticas estão tranquilas quanto aos processos. Certo? Pergunta o jornal Handelsblatt. Vamos entender o caso

Este primeiro caso envolve uma dentista, 42 anos, que vive em Mainz.

 

A acusação exige 150 mil euros em danos. Quais danos? A dentista alega que ficou surda do ouvido direito por causa da vacina contra o coronavírus.

 

A profissional de saúde detalha o caso: formou-se um coágulo de sangue no seu ouvido depois de ter sido vacinada, há dois anos.

 

Nunca mais ficou apta para continuar a sua atividade profissional.

Este processo judicial no Tribunal Regional de Mainz é a primeira audiência oral contra um fabricante de vacinas – mas será a primeira de muitas.

 

AstraZeneca, BioNTech, Moderna e Johnson & Johnson: todas vão aos tribunais ainda neste Verão.

Há centenas de casos contra estas empresas, acrescenta o jornal. E, a cada semana, aparecem em média mais 10 processos.

 

A maioria deles será contra a BioNTech, que foi também a empresa que cedeu mais vacinas na Alemanha.

As teorias, com ou sem conspiração, centram-se numa questão: como foi possível colocar tão rapidamente no mercado estas vacinas? Desta vez não houve estudos que geralmente duram anos; mesmo antes de se completar um ano desde o início da pandemia na Europa, já havia vacinas disponíveis.

 

Agora, mais do que teorias, chegam queixas concretas. Mas um acordo com a Agência Europeia de Medicamentos suavizou o impacto financeiro para as empresas: é que, em casos perdidos no tribunal, quem paga a indenização é o Governo de cada país.

 

A reputação destas empresas será consideravelmente jogadas ao limbo, caso se prove que foi a vacina a causadora dos efeitos secundários graves.

 

Há processos que já estão a ser resolvidos longe dos tribunais: algumas grandes empresas de vacinação já pagaram indenizações. Ficou tudo em "segredo de Justiça".

 

Mas, alegadamente, a AstraZeneca e a Johnson & Johnson afastaram totalmente a possibilidade de assinarem acordos extrajudiciais.

 

As empresas fabricantes de vacinas não querem comentar os processos que já estão em andamento, mas expressam a sua solidariedade com os pacientes afectados.

 

Mas, por exemplo a BioNTech, reforça algo importante: cada caso é um caso.

Para se mostrar que uma alegação é justificada, é preciso provar duas coisas: uma conexão causal entre a vacinação e o comprometimento do estado de saúde, e que o risco foi maior do que o benefício naquela vacina. Ainda há um terceiro cenário: se a bula não corresponder às últimas descobertas científicas.

 

A mesma BioNTech garante que, até agora, não foi detectada qualquer conexão associada à vacina.

 

Mas todas as grandes empresas farmacêuticas citadas parecem estar confiantes: nos seus orçamentos não há qualquer parcela destinada a indemnizações a eventuais vítimas de efeitos secundários da vacina.

 

Com informações Planeta ZAP

 

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários