UCRÂNIA: Zaluzhnyi declarou: "Ninguém vai me parar"

Publicado por: Editor Feed News
15/07/2023 18:30:12
Exibições: 82
Assim que tiver os meios, farei algo. Se eu espirrar, ninguém vai me parar, Valery Zaluzhnyi/Divulgação/Redes Sociais/Captura de Tela
Assim que tiver os meios, farei algo. Se eu espirrar, ninguém vai me parar, Valery Zaluzhnyi/Divulgação/Redes Sociais/Captura de Tela

A intenção do comandante-em-chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valery Zaluzhnyi, é de varrer o inimigo de seu país e libertar inclusive a Crimeia

 

Os militares ucranianos tentarão libertar a Crimeia ocupada , assegurou mais uma vez o comandante-em-chefe das Forças Armadas da Ucrânia, Valery Zaluzhnyi, em entrevista ao The Washington Post.

 

"Assim que tiver os meios, farei algo. Vou espirrar - ninguém vai me impedir", enfatizou o general ucraniano.

 

Como observa a publicação, tal declaração foi supostamente feita no contexto dos temores de algumas autoridades ocidentais "sobre a reação do presidente da Federação Russa, Vladimir Putin, se os defensores ucranianos conseguirem iniciar a libertação da península. "

 

Ele também disse que "na guerra, você pode e deve matar o inimigo em seu território  mas com nossas próprias armas. Para salvar meu povo, por que devo pedir permissão a alguém para fazer algo em território inimigo? Por algum motivo, devo pensar que não tenho permissão para fazer nada lá. Por quê? Porque (presidente russo Volodymyr ) Putin... usará armas nucleares? E as crianças que morrem não se importam...? Este é o nosso problema, e cabe a nós decidir como matar este inimigo. Se nossos parceiros tiverem medo de usar suas armas, mataremos com as nossas. Mas apenas o necessário", disse o general.

 

Todas as manhãs, o Comandante-em-Chefe começa descobrindo quantos soldados ucranianos  foram mortos ou feridos enquanto cumpriam suas ordens no dia anterior.. Às vezes, ele encontra contatos em seu celular que já estão mortos. Ele se recusa a removê-los. Zaluzhnyi diz que está adiando o luto para mais tarde, para que o luto não o distraia de seu importante trabalho agora.

 

Em 24 de fevereiro, o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskyy, anunciou que o país está se preparando para a desocupação da Crimeia .

 

Mykhailo Podolyak, assessor do chefe do Gabinete do Presidente, afirmou em entrevista ao projeto "Crimea Real" da RFE/RL que a Ucrânia devolverá a península em cinco a sete meses. Segundo ele, a invasão em grande escala da Rússia criou os pré-requisitos para a desocupação da península já agora.

 

Antes disso, a vice-secretária de Estado dos EUA, Victoria Nuland, disse que os Estados Unidos da América apóiam a tarefa da Ucrânia de atacar instalações militares russas na Crimeia ocupada.

 

As pesquisas mostram que mais de 60% dos ucranianos apoiam uma tentativa de libertar militarmente a Crimeia ocupada – mesmo que isso signifique uma guerra mais longa com a Rússia e menos ajuda ocidental.

Com informações da Agencia Radiosvoboda (UA)

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários