Google: US$ 5 bilhões por rastrear usuários no modo “anônimo”

Publicado por: Editor Feed News
29/12/2023 17:46:18
Exibições: 259
A empresa é acusada de enganar usuários e coletar informações sobre eles foto de fontes abertas
A empresa é acusada de enganar usuários e coletar informações sobre eles foto de fontes abertas

Há processo pendente contra a corporação desde 2020 

 

O Google pagará US$ 5 bilhões como parte de um acordo preliminar de uma ação coletiva relacionada ao modo “anônimo” no navegador Chrome. Ars Technica escreve sobre isso .

O processo contra o Google foi aberto em 2020, acusando o gigante das buscas de enganar deliberadamente os usuários, fazendo-os pensar que controlam as informações que o Chrome coleta sobre eles. Durante o processo, ficou estabelecido que a corporação coleta dados por meio do Google Analytics, gerenciador de publicidade do Google e outros aplicativos e plugins, independentemente de o usuário ter clicado no anúncio. Com isso, a empresa conseguiu conhecer os amigos, os hobbies, os produtos favoritos, os hábitos de compra dos usuários e até mesmo as coisas mais íntimas e potencialmente embaraçosas.

 

O Google tentou encerrar o processo apontando para uma mensagem que aparece quando os usuários ativam o modo “anônimo” no navegador Chrome. Diz que “cada vez que um usuário abre uma nova aba, os sites podem coletar informações sobre sua atividade na Internet”.

Observa-se que muitos usuários estão acostumados a acreditar que o modo de navegação anônima do Chrome permite que eles se protejam da vigilância rigorosa de serviços especiais. De acordo com a denúncia, milhões de pessoas que usaram o modo “incógnito” desde 2016 foram alvo de coleta de dados, o que explica o enorme valor da indenização.

 

A propósito, em breve o Google fará alterações no Google Maps para dificultar o acesso das autoridades e policiais às informações sobre o histórico de localização dos usuários. A partir de 2024, o serviço armazenará o histórico de movimentos dos usuários localmente em seus dispositivos, e não em armazenamento em nuvem.

 

Com informações da GLAVCOM

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários